Conheça as aplicações possíveis para automação no mercado de ração

Conheça as aplicações possíveis para automação no mercado de ração

Mercado de ração é um dos que mais cresce dentro do segmento pet.

O mercado de ração, ou pet food, é um dos que mais alavanca os números do mercado pet como um todo. O mercado de ração latino americano foi o que mais se destacou, apresentando os melhores resultados que qualquer outra região do mundo nos últimos anos, com crescimento médio de 5,7% ao ano entre 2011 e 2016, de acordo com o relatório da Euromonitor International.

As vendas de ração para cães e gatos superaram as vendas de rações para os outros tipos de animais em sete países da América Latina: Brasil, México, Argentina, Chile, Venezuela, Colômbia e Peru. Isso porquê os latino-americanos possuem uma ligação mais forte com os animais de companhia, do que em outros países, como na Europa, por exemplo. Por lá, as vendas de rações para cães e gatos são, praticamente, similares às vendas das rações para outros tipos de animais.

Por conta disso, o mercado de ração vem passando por transformações tecnológicas que estão ajudando a deixar esses números ainda maiores. A Indústria 4.0, por exemplo, é um dos movimentos que vem transformando todas as indústrias e, consequentemente, suas rotinas produtivas, como no caso das fábricas de ração.

Uso da automação na prática

O uso da automação nas plantas de pet food mudou algumas tarefas que antes precisavam ser acompanhadas etapa por etapa, como, por exemplo, verificar níveis de materiais no interior dos silos, acionar válvulas manualmente, ligar equipamentos com operação intermitente, verificar o interior de reservatórios e até comunicação verbal mal compreendida.

Atualmente, até pela demanda de produção, diversos desses processos mudaram. Hoje podemos ver sensores de movimento, que reconhecem se os produtos estão seguindo a sequência de produção correta, sensores de posição, de posicionamento, de nível, de temperatura e de vibração.

Todos esses sistemas, quando estão operando em conjunto, trazem maior segurança e produtividade à atividade fabril, pois, através de softwares de inteligência artificial, conseguem dizer se os silos estão cheios, se a esteira está trabalhando na velocidade correta, se a máquina pode estar entupida, por meio de alarmes sonoros, assim como também cria padrões de funcionamento e registro, onde qualquer funcionário pode saber qual passo do processo já aconteceu, o que deve ser feito, assim evitando possíveis acidentes.

Pequenos passos para a automação

Entretanto, antes de pensar em automatizar os processos produtivos, é importante realizar a gestão da informação. Informações básicas e estratégicas dos produtos, muitas vezes, acabam não estando corretamente catalogadas, como o recebimento da matéria-prima. Ricardo Melo, executivo de desenvolvimento setorial da GS1 Brasil, explica que processos como a organização e gerenciamento do estoque, por meio de softwares de automação, são maneiras simples de melhorar os processos seguintes.

Quer mais dicas de como controlar o estoque do pet shop? Confira em nosso artigo.

“A automação não é só a inserção de máquinas robotizadas, que podem nem ser a melhor solução do momento. Ações como a criação de mecanismos de controle específicos, com uma visão mais precisa do todo, são ações que otimizam o tempo e trazem redução de custos. Organização da informação é o investimento mais barato e com maior retorno”, conclui Melo.

Quer continuar por dentro das novidades do setor e da indústria pet? Acompanhe o Talk PET em nossas redes sociais!

Deixe uma resposta

Fechar Menu